A primeira parábola

Código VC12-E17-P

VIEW:87 DATA:2020-03-20

A primeira parte desta parábola é possivelmente uma descrição de um lugar sagrado estabelecido no futuro; Enoque parece considerá-lo também uma descrição dos Vigilantes, já que aos 39 anos ele revela que está sendo permitido morar lá com eles.

"Aqueles que não dormem" (ver 39.12 e 71.7) são mencionados com frequência. Estes são os serafins, querubins e ophannim, os anjos não humanos, que não precisam dormir. Enoch nunca os descreve, então é difícil saber o que ele tinha em mente.

A maior parte dessa parábola é uma descrição de como quatro dos Observadores mostraram tudo a Enoque.

38.1     A primeira parábola .

Quando a comunidade dos justos aparece e os pecadores são julgados por seus pecados e são expulsos da face da terra seca.

38.2 E quando o Justo aparece, na frente dos justos escolhidos, cujas obras são pesadas pelo Senhor dos Espíritos. E quando a luz aparece para os justos e escolhidos que habitam em terra seca. Onde será a morada dos pecadores? E onde estará o lugar de descanso daqueles que negaram o Senhor dos Espíritos? Teria sido melhor para eles, se não tivessem nascido.

38.3 E quando os segredos dos justos forem revelados, os pecadores serão julgados e os ímpios expulsos da presença dos justos e dos escolhidos.

38.4 E a partir daí, aqueles que possuem a terra não serão poderosos e exaltados. Nem serão capazes de olhar a face dos Santos, pois a luz do Senhor dos Espíritos terá aparecido na face do Santo, dos justos e dos escolhidos.

38.5 E os poderosos reis serão naquele tempo destruídos e entregues nas mãos dos justos e dos santos.

38.6 E a partir de então ninguém será capaz de buscar o Senhor dos Espíritos, pois sua vida terminará.

39.1 E acontecerá nestes dias que os filhos escolhidos e santos descerão dos altos Céus e sua descendência se tornará uma só com os filhos dos homens.

39.2 Naqueles dias Enoque recebeu livros de indignação e ira e livros de tumulto e confusão. E não haverá misericórdia para eles, diz o Senhor dos Espíritos.

39.3 E naquele tempo nuvens e um vento de tempestade me tiraram da face da terra e me deixaram no final do Paraíso.

39.4 E lá vi outra visão; a Habitação dos Justos e os

Lugares de descanso do Santo.

39.5 Lá meus olhos viram suas moradas com os anjos, e seus lugares de descanso com os santos, e eles estavam suplicando e suplicando e orando, em favor dos filhos dos homens; e a justiça, como a água, fluía diante deles e a misericórdia como orvalho no chão. Assim está entre eles para todo o sempre.

39.6 E naqueles dias meus olhos viram o Lugar dos Eleitos de Justiça e Fé; e haverá justiça nos seus dias, e os justos e escolhidos serão inumeráveis ​​diante dele para todo o sempre.

39.7 E eu vi a sua habitação, sob as asas do Senhor dos espíritos, e todos os justos e escolhidos brilhou na frente dele, como a luz de fogo.

E suas bocas estavam cheias de bênçãos, e seus lábios louvavam o nome do Senhor dos Espíritos. E a justiça não falhará diante dele, e a verdade não falhará diante dele.

39.8 Lá desejei morar, e minha alma ansiava por aquela morada; lá tinha sido atribuído o meu lote antes, pois assim foi decidido sobre mim, na frente do Senhor dos Espíritos.

39.9 E naqueles dias eu louvava e exaltava o nome do Senhor dos Espíritos, com bênção e louvor, pois ele me destinou para bênção e louvor, de acordo com o Senhor dos Espíritos.

39.10 E por muito tempo os meus olhos olharam para aquele lugar, e abençoei-o e louvai-o, dizendo: "Bendito seja Ele, e ele seja abençoado desde o começo e para sempre!"

39.11 E em sua presença não há fim. Ele sabia antes que o mundo fosse criado o que o mundo seria, mesmo para todas as gerações que estão por vir.

39.12 Aqueles que não dormem o abençoam, e eles estão diante de Sua Glória, e abençoam e louvam e exaltam, dizendo: "Santo, Santo, Santo, Senhor dos Espíritos;

ele enche a terra de espíritos ".

39.13 E ali meus olhos viram todos os que não dormem; em pé diante dele, e abençoando e dizendo: "Bem-aventurado és tu e bendito é o nome do Senhor para todo o sempre!"

39.14 E meu rosto se transformou até que eu não consegui enxergar.

40.1 E depois disso vi milhares e dez mil vezes dez mil! Uma multidão além do número, ou ajuste de contas, que ficou na frente da Glória do Senhor dos Espíritos.

40.2 Olhei e, nos quatro lados do Senhor dos Espíritos, vi quatro figuras diferentes das que estavam de pé; e aprendi seus nomes, porque o Anjo que foi comigo deu a conhecer seus nomes e mostrou-me todas as coisas secretas.

40.3 E ouvi as vozes daquelas quatro figuras enquanto cantavam louvores diante do Senhor da Glória.

40.4 A primeira voz abençoa o Senhor dos Espíritos para todo o sempre.

40.5 E a segunda voz eu ouvi abençoando o Escolhido e os escolhidos que dependem do Senhor dos Espíritos.

40.6 E a terceira voz eu ouvi, peticionei e orei, em favor daqueles que habitam em terra seca e suplicam em nome do Senhor dos Espíritos.

40.7 E a quarta voz eu ouvi afastando os Satans e não permitindo que eles viessem em frente ao Senhor dos Espíritos para acusar aqueles que moram no terreno elevado.

40.8 E depois disso perguntei ao Anjo da Paz, que foi comigo, e mostrou-me tudo o que é secreto: "Quem são aquelas quatro figuras que vi e cujas palavras ouço e escrevo?"

40.9 E ele disse-me: "Este primeiro, é o Santo Miguel, o misericordioso e longânimo. E o segundo, que é responsável por todas as doenças, e encarregado de todas as feridas dos filhos dos homens, é Rafael e o terceiro, que está encarregado de todos os poderes, é o Santo Gabriel, e o quarto, que está encarregado do arrependimento e da esperança daqueles que herdarão a vida eterna, é Phanuel. ”

40.10 E estes são os quatro anjos do Senhor Altíssimo; e as quatro vozes que ouvi naqueles dias.

41.1 E depois disso, eu vi todos os segredos do Céu, e como o Reino está dividido, e como as ações dos homens são pesadas na Balança.

41.2 Lá vi a Habitação dos Escolhidos e os Lugares de Repouso do Santo; e meus olhos viram ali todos os pecadores que negam o nome do Senhor dos Espíritos sendo expulsos dali. E eles os arrastaram, e eles não puderam permanecer, por causa da punição que saiu do Senhor dos Espíritos.

41.3 E lá meus olhos viram os segredos dos relâmpagos e do trovão. E os segredos dos ventos, como são distribuídos para soprar sobre a terra e os segredos das nuvens e do orvalho; e lá eu vi de onde eles saem, naquele lugar. E como, a partir daí, o pó da terra está saturado.

41.4 E lá vi depósitos fechados dos quais os ventos são distribuídos, e o armazém do granizo, e o armazém da névoa, e o armazém das nuvens; e a sua nuvem permaneceu sobre a terra desde o princípio do mundo.

41.5 E eu vi as Câmaras do Sol e da Lua, onde elas saem e onde elas retornam. E seu retorno glorioso; e como alguém é mais honrado do que o outro é. E seu curso magnífico, e como eles não saem de seu curso, nem acrescentando nem subtraindo de seu curso.

E como eles mantêm a fé um no outro, observando seu juramento.

41.6 E o Sol sai primeiro e completa sua jornada ao comando do Senhor dos Espíritos - e seu Nome permanece para todo o sempre.

41.7 E depois disso está o caminho oculto e visível da Lua, e viaja o curso de sua jornada, naquele lugar, de dia e de noite. Um fica na frente do outro, diante do Senhor dos Espíritos, e eles dão graças, e cantam louvores, e não descansam, porque a ação de graças deles é como descanso para eles.

41.8 Pois o sol brilhante faz muitas revoluções; por uma bênção e por uma maldição. E o caminho da jornada da Lua é para a luz justa, mas para os pecadores; Trevas. No Nome do Senhor, que criou uma divisão entre a luz e as trevas, e dividiu os espíritos dos homens e estabeleceu os espíritos dos justos, em nome de Sua justiça.

41.9 Pois nenhum anjo impede, e nenhum poder é capaz de impedir, porque o juiz os vê a todos e julga-os a si mesmo.

42.1 A sabedoria não encontrou lugar onde pudesse morar, e morava no céu.

42.2 Saía a sabedoria para habitar entre os filhos dos homens, mas não achou habitação; a sabedoria retornou ao seu lugar e tomou assento no meio dos Anjos.

42.3 E a iniqüidade saiu dos seus aposentos; aqueles a quem ela não procurava, ela encontrou e habitou entre eles, como chuva no deserto, e como orvalho no chão seco.

43.1 E novamente eu vi flashes de relâmpagos e as estrelas do céu, e vi como Ele os chamou por todos os seus nomes, e eles O obedeceram.

43.2 E vi o Equilíbrio da Retidão, como eles são pesados ​​de acordo com sua luz, de acordo com a largura de suas áreas e o dia de sua aparição. E como suas revoluções produzem relâmpagos, e eu vi suas revoluções, de acordo com o número dos anjos, e como eles mantêm a fé uns com os outros.

43.3 E eu perguntei ao Anjo, que foi comigo e mostrou-me o que é secreto: "O que são estes?"

43.4 E ele disse-me: "Sua semelhança, o Senhor dos Espíritos tem mostrado

você; estes são os nomes dos justos que habitam em terra seca e crêem no nome do Senhor dos Espíritos para todo o sempre. ”

44.1 E outras coisas eu vi sobre relâmpagos, como algumas das estrelas se levantam e se tornam relâmpagos, mas não podem perder sua forma.

 

 

 




Norway

FACEBOOK

Participe de nossa rede facebook.com/osreformadoresdasaude

Novidades, e respostas das perguntas de nossos colaboradores

Comments   2

BUSCADAVERDADE

Visite o nosso canal youtube.com/buscadaverdade e se INSCREVA agora mesmo! Lá temos uma diversidade de temas interessantes sobre: Saúde, Receitas Saudáveis, Benefícios dos Alimentos, Benefícios das Vitaminas e Sais Minerais... Dê uma olhadinha, você vai gostar! E não se esqueça, dê o seu like e se INSCREVA! Clique abaixo e vá direto ao canal!


Saiba Mais

  • Image Nutrição
    Vegetarianismo e a Vitamina B12
  • Image Receita
    Como preparar a Proteína Vegetal Texturizada
  • Image Arqueologia
    Livro de Enoque é um livro profético?
  • Image Profecia
    O que ocorrerá no Armagedom?

Tags

tag