7. Sacerdotes e Profetas

Código VC6-E807-P

VIEW:95 DATA:2020-03-20

O templo e o serviço no templo constituíram uma maravilhosa lição objetiva para Israel. Pretendia-se ensinar ao homem a santidade de Deus, sua própria pecaminosidade e o caminho para Deus. Uma das lições importantes do sistema sacrificial era ensinar o sacerdote e as pessoas a aborrecerem o pecado e evitá-lo. Quando um homem pecava inadvertidamente ou por erro, esperava-se que ele trouxesse uma oferta pelo pecado ao templo. O primeiro requisito no ritual do sacrifício era a colocação das mãos sobre o animal e a confissão do pecado pelo pecador. Então com a própria mão ele deveria matar o animal. Depois disso, o sacerdote deveria tirar o sangue e colocá-lo nas pontas do altar do holocausto. O interior foi então queimado com a gordura no altar, e uma parte da carne foi comida pelos sacerdotes no lugar santo.

Isso foi para ensinar a repulsa pelo pecado. Deus pretendia que essa aversão pelo pecado fosse tão grande que os homens “iriam e não pecariam mais”. Nenhuma pessoa normal gosta de matar um animal inocente, especialmente se ele perceber que é por causa de seus pecados que o animal tem que morrer. Um padre normal certamente não se deleitaria no serviço do sangue que ele era compelido a executar por causa do pecado. Permanecer o dia inteiro, trabalhando com animais mortos, mergulhando o dedo no sangue, e polvilhando-o no altar, não poderia ser muito atraente ou agradável. Deus mesmo diz que não se deleita “no sangue de novilhos, nem de cordeiros, nem de bodes.” Isaías 1:11. Nem o verdadeiro sacerdote.

O sistema sacrificial proporcionou aos sacerdotes uma excelente oportunidade para ensinar o plano de salvação aos ofensores. Quando um pecador trouxesse sua oferta, o sacerdote poderia dizer: “Sinto muito por você ter pecado, como tenho certeza que você sente muito. Deus, no entanto, fez provisão para o perdão do pecado. Você trouxe uma oferta. Coloque sua mão nessa oferenda e confesse seu pecado a Deus. Então mate o cordeiro inocente, e eu tomarei o sangue e farei expiação por você. O cordeiro que você está matando é simbólico do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. O Messias é vir e dar a vida pelo pecado do povo. Através do Seu sangue você é perdoado. Deus aceita sua penitência. Vá e não peques mais.

Através deste ritual solene, o homem ficaria profundamente impressionado com a odiosidade do pecado e iria embora do templo com uma firme determinação de não pecar novamente. O fato de que ele havia matado um animal iria ensiná-lo como nada mais poderia fazer que pecado significa morte e que quando alguém peca, o cordeiro deve morrer.

Pagando pelo pecado

Bonito e impressionante como era este serviço, era capaz de perversão. Se o pecador concebesse a idéia de que sua oferta pagava pelo pecado que cometera e que, se ele apenas oferecesse uma oferta toda vez que pecasse, tudo estaria bem, ele tinha uma concepção totalmente errada da intenção de Deus. Ainda assim, quantos passaram a considerar as ordenanças. Eles sentiam que seus sacrifícios pagavam por seus pecados, e que se eles pecassem novamente, outro sacrifício expiaria por isso.

O arrependimento e a verdadeira tristeza foram minimizados. As pessoas passaram a acreditar que, qualquer que fosse o pecado, isso poderia ser expiado por um presente. Com a apresentação da oferta, eles consideraram a transação concluída. Muitos dos sacerdotes encorajaram o povo nessa atitude. O pecado não era tão repugnante aos olhos como deveria ser. Era algo que poderia ser pago com o presente de um cordeiro, que no máximo custava uma pequena quantia. O resultado foi que “milhares de carneiros” e “dez milhares de rios de petróleo” foram comprados para agradar a Deus. (Miquéias 6: 7)

Perversão do Símbolo

A remuneração dos padres era em grande parte derivada dos sacrifícios oferecidos pelo povo. Assim, os sacerdotes passaram a encarar os sacrifícios como meio de renda para eles. Além dos dízimos que recebiam, os sacerdotes retinham uma parte da maioria dos sacrifícios oferecidos. Eles também receberam parte das oferendas de farinha e ofertas de paz - farinha, óleo, milho, vinho, dinheiro e sal - bem como ofertas para ocasiões especiais.

Essas ordenanças, portanto, tornaram-se facilmente pervertidas. Alguns dos sacerdotes corruptos viram claramente que mais pessoas pecaram, quanto mais pecados e transgressões trouxessem, maior seria a porção que lhes chegasse. Eles foram tão longe para encorajar as pessoas a pecar. Dos sacerdotes corruptos está escrito: “Eles devoram o pecado do meu povo, e fixam o coração na iniquidade deles.” Oséias 4: 8. Este texto afirma que os sacerdotes, em vez de admoestar o povo e instá-lo a abster-se do pecado, “fixaram o coração” na iniqüidade do povo, e esperaram que ele pecasse novamente e voltasse com outra oferta. Foi para a vantagem financeira dos sacerdotes ter muitas ofertas trazidas, para cada oferta adicionada à sua renda. À medida que o sacerdócio se tornou mais corrupto, a tendência de encorajar as pessoas a trazer ofertas aumentou.

Um comentário interessante sobre o quanto os sacerdotes perverteram as ordenanças é dado no segundo capítulo de Primeiro Samuel: “E o costume dos sacerdotes era que, quando alguém oferecia sacrifícios, vinha o servo do sacerdote, enquanto a carne fervia. , com um gancho de carne de três dentes na mão. E ele bateu na panela, ou na chaleira, no caldeirão ou na panela; tudo o que o gancho de carne trouxe até o sacerdote tomou para si mesmo. Assim fizeram em Siló a todos os israelitas que ali chegaram. Também antes de queimarem a gordura, veio o servo do sacerdote e disse ao homem que sacrificava: Dá carne de assar para o sacerdote; porque ele não terá carne de você, mas crua. E se alguém dissesse-lhe: Não deixem de queimar a gordura presentemente e, depois, tomem o que quiser a tua alma; então ele iria responder-lhe, não;

Isso mostra a degradação do sacerdócio mesmo naquele período inicial. Deus havia ordenado que a gordura fosse queimada no altar e que, se a carne fosse comida, deveria ser fervida. Os padres, no entanto, desejavam que sua carne fosse crua com a gordura, para que pudessem assá-la. Para eles, deixara de ser uma refeição sacrifical e se tornara, em vez disso, um festim guloso. O seguinte comentário é feito: “O pecado dos mancebos era mui grande diante do Senhor; pois os homens abominavam a oferta do Senhor”. Versículo 17.

Essa tendência dos sacerdotes de encorajar o povo a trazer ofertas pelo pecado ao invés de se abster do pecado tornou-se mais pronunciada com o passar dos anos. No tabernáculo, como foi primeiramente construído por Moisés, o altar da oferta queimada era bem pequeno, sendo apenas cinco côvados quadrados. No templo de Salomão, o altar foi ampliado para vinte bits, ou cerca de nove metros de cada lado. No templo de Herodes ainda era maior. Parece que o altar da oferta queimada se tornou maior e maior para acomodar as ofertas colocadas sobre ele.

Degradação Crescente

O tempo finalmente chegou quando Deus teve que fazer alguma coisa ou todo o serviço do templo se tornaria corrupto. Ele, portanto, permitiu que o templo fosse destruído, e muitas pessoas foram levadas em cativeiro para a Babilônia. Com o templo desaparecido, as práticas cessariam naturalmente. As mentes das pessoas seriam chamadas ao significado espiritual das ordenanças que tantas vezes haviam testemunhado, mas que agora não eram mais. Na Babilônia não havia holocausto nem oferta pelo pecado nem festa solene do Dia da Expiação. Israel pendurou suas harpas nos salgueiros.

Depois de setenta anos em cativeiro, permitiram que Deus voltasse para sua terra natal e construísse o templo novamente. Ele esperava que eles tivessem aprendido seu filho. Mas eles não tinham. O altar do holocausto feito ainda maior do que antes. As pessoas tornaram-se firmemente assentadas em sua consideração pela mera forma e ritual do templo e seu serviço sacrificial, e eles falharam em atender à mensagem profética de que “obedecer é melhor do que sacrificar”. 1 Samuel 15:22. A renda dos sacerdotes das ofertas tornou-se grande; tão grande, de fato, que o dinheiro acumulado no templo constituía uma das maiores coleções de riqueza da antiguidade, e os padres tornaram-se emprestadores de dinheiro.

Em festas como a Páscoa, Jerusalém estava cheia de judeus da Palestina e de outras terras. Josefo nos diz que cerca de um milhão de visitantes estavam na cidade ao mesmo tempo. Israel foi ordenado por Deus a não aparecer de mãos vazias diante do Senhor, então todos esses peregrinos trouxeram ofertas. (Deuteronômio 16:16) Era uma impossibilidade física para os sacerdotes oferecerem tantos sacrifícios quantos fossem necessários para acomodar todo o povo. Eles foram, portanto, encorajados a converter suas ofertas em dinheiro e deixar esse dinheiro como dinheiro do templo com os sacerdotes, que por sua conveniência ofereceriam o sacrifício que o dinheiro pedia. Foi logo descoberto que era mais fácil e seguro não trazer o animal sacrificial de casa. O ofertante correu o risco não só de ter o animal rejeitado pelo padre por algum defeito, real ou supostamente, mas de incorrer em uma perda adicional. Pois vender um animal que tivesse sido rejeitado pelos padres não era fácil, especialmente quando mil outros tentavam fazer o mesmo. Para alguns propósitos, apenas o dinheiro do templo poderia ser usado, e sobre isso era cobrada uma troca. Essa mudança de dinheiro comum para o dinheiro do templo foi outra fonte de grande renda para o sacerdócio.

Como observado anteriormente, os sacerdotes foram divididos em vinte e quatro cursos, cada um dos quais deveria servir uma semana de cada vez, duas vezes por ano. Quando o ofício do sumo sacerdote tornou-se político, e ele foi nomeado pelo governo, a corrupção tornou-se generalizada. Como era uma posição muito lucrativa, os homens começaram a concorrer ao cargo de sumo sacerdote e, na verdade, foram vendidos pelo maior lance. Para obter esse dinheiro de volta, o sumo sacerdote assumiu o controle da seleção dos cursos; e somente esses sacerdotes eram chamados a servir em Jerusalém na época das festas, como se podia confiar para compartilhar com os oficiais que as grandes receitas contribuíam naquele tempo. Corrupção veio novamente para prevalecer, e muitos eram os sacerdotes que eram chamados para servir no templo nas grandes festas somente porque estavam dispostos a dividir o despojo com os altos oficiais. A ordem em que os sacerdotes deviam servir foi mudada e todo o plano de Deus foi corrompido. A designação posterior de Cristo, “um covil de ladrões”, não era uma mera expressão poética; foi literalmente verdade.

Um sacerdócio corrupto

“O sacerdócio havia se tornado tão corrupto que os sacerdotes não tinham escrúpulos em se engajar nos atos mais desonestos e criminosos para realizar seus projetos. Aqueles que assumiram o ofício de sumo sacerdote antes, e na época do primeiro advento de Cristo, não eram homens divinamente designados para o trabalho sagrado. Eles ansiosamente aspiraram para o escritório através do amor pelo poder e show. Eles desejavam uma posição em que pudessem ter autoridade e praticar fraudes sob uma aparência de piedade e, assim, escapar à detecção. O sumo sacerdote ocupava uma posição de poder e importância. Ele não era apenas conselheiro e mediador, mas juiz, não houve recurso de sua decisão. Os sacerdotes eram mantidos sob contenção pela autoridade dos romanos, e não lhes era permitido o poder de condenar legalmente qualquer pessoa à morte.

Este poder repousou com aqueles que suportaram o domínio sobre os judeus. Homens de corações corruptos buscavam o distinto ofício de sumo sacerdote, e frequentemente o obtinham por suborno e assassinato. ”- Spirit of Prophecy, vol. 2, página 13, 14.

“Quando Jesus entrou, ficou indignado ao encontrar a corte do templo organizada como um mercado de gado e um local de tráfego geral. Não havia apenas barracas para os animais, mas havia mesas onde os próprios sacerdotes agiam como corretores de dinheiro e trocadores. Era costume que cada pessoa que comparecesse à Páscoa trouxesse uma quantia em dinheiro, que era paga aos sacerdotes ao entrar no templo.

“Desde a mudança de moedas estrangeiras e diferentes denominações de dinheiro para acomodar estranhos, essa questão de receber suas ofertas tinha se transformado em um tráfego vergonhoso e uma fonte de grande lucro para os sacerdotes. Muitos vieram de uma grande distância e não puderam trazer suas ofertas de sacrifício. Sob o pretexto de acomodar tais pessoas, no pátio exterior havia gado, ovelhas, pombas e pardais à venda a preços exorbitantes. A consequente confusão indicava um ruidoso mercado de gado, em vez do sagrado templo de Deus. Podia-se ouvir uma barganha afiada, comprar e vender, mugir de gado, balir de ovelhas e arrulhar de pombas, misturada com o tilintar da moeda e uma disputa raivosa. Um grande número de animais eram sacrificados anualmente na Páscoa, o que tornava as vendas no templo imensas.

Essas condições, obviamente, não existiam originalmente. Foi somente depois de séculos de transgressão que a corrupção atingiu as alturas aqui descritas. Foi relativamente cedo, no entanto, que os abusos começaram a surgir, como evidenciado na citação do livro de Samuel na primeira parte deste capítulo.

Assim como os sacerdotes perderam a visão da intenção original das ofertas e perverteram o plano de Deus nos sacrifícios, tornou-se necessário enviar-lhes advertências. Para fazer isso, Deus usou os profetas. Desde o princípio, a mensagem dos profetas ao Seu povo era: “O Senhor tem grande prazer em holocaustos e sacrifícios, como em obedecer à voz do Senhor? Eis que obedecer é melhor do que sacrificar e escutar do que a gordura dos carneiros. ”1 Samuel 15:22. Para alguns dos sacerdotes apostatizantes parecia uma calamidade que o povo parasse de pecar, pois nesse caso a oferta pelo pecado cessaria. Para isso, o escritor de Hebreus se refere quando diz: “Porque a lei, tendo a sombra das coisas boas por vir, e não a própria imagem das coisas, jamais poderá com os sacrifícios que eles oferecerem ano após ano, continuamente perfeito. Pois então eles não teriam deixado de ser oferecidos? Porque os adoradores, uma vez purgados, não deveriam ter mais consciência dos pecados. ”Hebreus 10: 1, 2.

O profeta relembra da apostasia

O Antigo Testamento pode ser melhor compreendido quando a luta entre o sacerdote e o profeta é compreendida. Foi uma luta trágica, que terminou em muitos casos com a vitória dos sacerdotes. O profeta é o porta-voz de Deus. As pessoas podem errar e os sacerdotes podem dar errado. Deus, no entanto, não fica sem testemunha. Sob tais circunstâncias, Ele envia um profeta ao Seu povo para trazê-lo de volta ao caminho certo.

Pode-se facilmente imaginar que os profetas não eram populares entre os sacerdotes. Como os sacerdotes serviam no templo dia a dia, convidando o povo a trazer seus sacrifícios, os profetas receberiam ordens de Deus para tomar sua posição perto do portão do templo e advertir o povo a não trazer mais oferendas. Isto está escrito de Jeremias: “A palavra que veio a Jeremias do Senhor, dizendo: Levanta-te à porta da casa do Senhor, e anuncia ali esta palavra, e dize: Ouvi a palavra do Senhor, vós todos de Judá, que entre nessas portas para adorar o Senhor. Assim diz o Senhor dos exércitos, o Deus de Israel: Amende os teus caminhos e as tuas obras, e eu te farei habitar neste lugar. Não vos fieis em palavras falsas, dizendo: Templo do Senhor, templo do Senhor, templo do Senhor são estes. Jeremias 7:14.

Depois disso, segue-se a admoestação dos profetas para que as pessoas modifiquem seus modos e não confiem em palavras mentirosas. “Não roubarás, assassinarás e cometer adultério, e jurarás falsamente”, diz o Senhor por intermédio do profeta, “e venha e fique diante de mim nesta casa que é chamada pelo meu nome e diga: Fomos libertos para fazer todas estas abominações? ”Versículos 9, 10. Então ele acrescenta significativamente:“ Porque não falei a vossos pais no dia em que os tirei da terra do Egito, nem lhes ordenei coisa alguma acerca de holocaustos ou sacrifícios. Mas isto me ordenou, dizendo: Ouvi a minha voz, e eu serei o vosso Deus, e tu serás o meu povo; e, em todos os caminhos que te ordenei, para te fazerem justiça, bem vos poderá fazer. 22, 23.

Obediência, não sacrifício

Ouça o que Deus tem a dizer através de Isaías: “Para que propósito é a multidão de vossos sacrifícios a Mim? disse o Senhor: Estou cheio dos holocaustos de carneiros e da gordura de animais alimentados; e não me agrado do sangue de novilhos, nem de cordeiros, nem de bodes. Quando você vem para aparecer diante de Mim, quem exigiu isso de sua mão, para pisar em Meus tribunais? Não traga mais oblações vãs; o incenso é uma abominação a Mim; as novas luas e os sábados, o chamado das assembleias, não posso me desfazer; é iniqüidade, até a reunião solene. As vossas novas luas e as vossas festas designadas A minha alma odeia; eles são um problema para mim; Estou cansado de suportá-los. E quando estenderes as tuas mãos, esconderei os meus olhos de ti; sim, quando fizeres muitas orações, não ouvirei; as tuas mãos estão cheias de sangue. Lave você, faça você limpo; apaga o mal de vossos feitos diante dos meus olhos; deixem de fazer o mal, aprendam a fazer bem; busquem julgamento, aliviem os oprimidos, julguem os órfãos, pleiteiam a viúva. ”Isaías 1: 11-17.

Observe as fortes expressões: “Estou cheio das ofertas queimadas de carneiros”; “Não me agrada do sangue dos novilhos”; “Quem exigiu isso da sua mão?” “Não traz mais oblações vãs”; “O incenso é uma abominação a Mim”; “As tuas festas designadas, a minha alma odeia”; “Estou cansado de suportá-los”; "Eu não vou ouvir: suas mãos estão cheias de sangue."

Amós diz: “Eu odeio, desprezo seus dias de festa. . . . Ainda que me ofereces holocaustos e ofertas de cereais, não os aceitarei; nem considerarei as ofertas pacíficas das vossas feras gordas. ”Amós 5:21, 22.

Micah, em tensão, pergunta: “Com quem devo me apresentar diante do Senhor e me curvar diante do Deus superior? Apresentar-me-ei diante dele com holocausto, com bezerros de um ano? O Senhor ficará satisfeito com milhares de carneiros, ou com dez milhares de rios de petróleo? Dar-te-ei meu primogênito por minha transgressão, o fruto do meu corpo pelo pecado da minha alma? ”Miquéias 6: 6, 7. Ele responde a questão desta maneira:“ Ele te mostrou, ó homem, o que é bom, e que roupa o Senhor requer de ti, senão para fazer justiça, e para amar a misericórdia, e para andar humildemente com o teu Deus? ”Verso 8.

O último profeta do Antigo Testamento diz: “Agora, ó sacerdotes, este mandamento é para vocês.” “Vocês saíram do caminho; tu fazes com que muitos tropeçam na lei; Você corrompeu o pacto de Levi, disse o Senhor dos Exércitos. Por isso também te fiz desprezível e baseado diante de todo o povo, assim como não guardastes os meus caminhos, mas fizestes parcial na lei. ”Mal. 2: 1,8,9.

Davi teve a visão correta quando disse: “Tu não queres sacrificar; mais eu daria: Tu não se deleita em holocaustos. Os sacrifícios de Deus são um espírito quebrantado: um coração quebrantado e contrito, ó Deus, não desprezarás ”. Salmo 51:16, 17.

Sacerdotes se opõem aos profetas

Deus dificilmente poderia ter usado palavras mais fortes do que as usadas para repreender tanto os sacerdotes quanto o povo, mas ele foi amplamente justificado. Os sacerdotes haviam corrompido o pacto. Eles haviam ensinado o povo a pecar, e os fez acreditar que uma oferta ou um sacrifício pagaria pelo pecado. Eles mereceram a repreensão do Senhor que Ele enviou através de Seus profetas. Os resultados foram o que se poderia esperar nas circunstâncias. Um amargo ódio contra os profetas surgiu entre muitos dos sacerdotes. Eles odiavam os homens que foram enviados para repreendê-los. Grande parte da perseguição aos profetas no Antigo Testamento foi levada a cabo ou instigada pelos sacerdotes. Não foi tanto o povo como os sacerdotes que se opuseram e perseguiram os profetas.

Foram os sacerdotes, os escribas e os fariseus que eram os constantes opositores de Cristo. Para eles, Cristo reservou sua mais severa repreensão: “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque edificais os sepulcros dos profetas, e adornam os sepulcros dos justos, e dize: Se estivéssemos nos dias de nossos pais, nós não teríamos sido participantes com eles no sangue dos profetas. Portanto, vocês são testemunhas de si mesmos, que são filhos daqueles que mataram os profetas. Encha você então a medida de seus pais. Você serpentes, você geração de víboras, como você pode escapar da condenação do inferno? Portanto, eis que eu vos envio profetas, sábios e escribas. E alguns deles você deve matar e crucificar; e alguns deles você deve flagelar em suas sinagogas, e persegui-los de cidade em cidade. Para que em vós seja trazido todo o sangue justo sobre a terra, desde o sangue do justo Abel até ao sangue de Zacarias, filho de Batorácida, que tu mataste entre o templo e o altar. Em verdade vos digo que todas estas coisas virão sobre esta geração. ”Mateus 23: 29-36.

Sin não mais

Cristo foi um profeta. Como tal, Ele soou a mensagem profética: "Obedecer é melhor do que sacrificar". "Vá e peque, não mais", foi o modo como Ele colocou. (João 8:11) Ele anulou o sistema sacrificial ao oferecer-se no Calvário. Cristo pessoalmente não ofereceu sacrifícios. Ele não pecou e, ao ensinar os homens a não pecar, Ele atacou o próprio coração dessa perversão sacerdotal. Embora Cristo tenha tido o cuidado de não ofender desnecessariamente, e apesar de ter enviado os leprosos aos sacerdotes para certificação (Lc 17.14), não pôde escapar da atenção dos oficiais que Cristo não era visto no templo com a oferta costumeira. Eles achavam que Sua mensagem constituía uma repreensão às suas práticas, e ficaram contentes quando encontraram uma acusação contra Ele em Suas palavras relatadas sobre o templo. (Mateus 26:61) Os sacerdotes odiavam a Cristo e quando chegou a hora, Ele seguiu a longa linhagem de nobres heróis entre os profetas, dando Sua vida. Os sacerdotes rejeitaram a mensagem profética. Foram eles que, na realidade, provocaram a crucificação de Cristo. Em que eles preencheram a medida de sua iniqüidade. Eles acreditavam em sacrifícios pelos pecados e, por essa provisão, o perdão poderia ser obtido. A mensagem maior de vitória sobre o pecado - a mensagem profética - muitos dos sacerdotes não entenderam, ou pelo menos não ensinaram.

Não se deve pensar, no entanto, que todos os sacerdotes eram maus. Havia muitos homens fiéis entre eles. Alguns dos sacerdotes, na verdade, também eram profetas, como Ezequiel. A intenção de Deus era que todo sacerdote tivesse o espírito profético e emitisse a mensagem profética. No plano de Deus, não é suficiente tentar consertar as coisas depois que um erro foi cometido. É muito melhor prevenir o mal do que tentar curá-lo. Por mais maravilhoso que seja ser levantado do pecado e da degradação, é ainda mais maravilhoso sermos impedidos de pecar. “Vá e não peques mais” é a verdadeira mensagem profética. É melhor obedecer do que sacrificar. Todo servo de Deus deveria repetir esta mensagem se cumprisse o conselho de Deus. Deus sempre teve necessidade de profetas. Eles são seus mensageiros para corrigir o erro. Quando tendências erradas aparecem entre o Seu povo,

A lição para este tempo não deve ser perdida. O trabalho do profeta não é feito até que a obra do Senhor na terra esteja terminada. Deus quer que Seus ministros toquem a mensagem profética. Quando os abusos se infiltram, uma voz deve ser levantada, chamando as pessoas de volta aos caminhos corretos do Senhor. E de volta de cada mensagem deve ser o clamor para a abstinência do pecado, para a santificação, para a santidade. Os profetas disseram: “Obedecer é melhor do que sacrificar”. Cristo disse: “Vá e ore para mais”. Todo ministro deve exemplificar essa doutrina em sua vida e ensiná-la com os lábios. Na medida em que ele não consegue fazer isso, ele fica aquém de seu alto privilégio. De todos os tempos, agora é a hora de enviar a mensagem profética para os confins da terra. Este foi o mandamento de Cristo quando Ele deu a grande comissão do evangelho para ensinar todas as nações e batizá-las, “Ensinando-os a observar todas as coisas que eu ordenei”. Mateus 28:20. Essa ordem de observar todas as coisas é paralela à mensagem profética de que obedecer é melhor que sacrifício. Quando este trabalho estiver pronto, o fim virá.

 

O Santuário-Serviço-por-ML-Andreasen.pdf




Norway

FACEBOOK

Participe de nossa rede facebook.com/osreformadoresdasaude

Novidades, e respostas das perguntas de nossos colaboradores

Comments   2

BUSCADAVERDADE

Visite o nosso canal youtube.com/buscadaverdade e se INSCREVA agora mesmo! Lá temos uma diversidade de temas interessantes sobre: Saúde, Receitas Saudáveis, Benefícios dos Alimentos, Benefícios das Vitaminas e Sais Minerais... Dê uma olhadinha, você vai gostar! E não se esqueça, dê o seu like e se INSCREVA! Clique abaixo e vá direto ao canal!


Saiba Mais

  • Image Nutrição
    Vegetarianismo e a Vitamina B12
  • Image Receita
    Como preparar a Proteína Vegetal Texturizada
  • Image Arqueologia
    Livro de Enoque é um livro profético?
  • Image Profecia
    O que ocorrerá no Armagedom?

Tags

tag