10. Ofertas de Paz

Código VC6-E810-P

VIEW:94 DATA:2020-03-20

A palavra hebraica traduzida como “oferenda de paz” vem de uma palavra raiz que significa “compor, suprir o que está faltando, pagar uma recompensa”. Ela denota um estado no qual os mal-entendidos foram esclarecidos e os erros corrigidos, e nos quais boas sentimento prevalece. Ofertas de paz foram usadas em qualquer ocasião que exigisse gratidão e alegria, e também em fazer um voto. Eles eram as ofertas de sabor doce, como ofertas queimadas e de farinha. Eles eram uma expressão por parte do ofertante de sua paz com Deus e de sua gratidão a Ele por Suas muitas bênçãos.

Ao selecionar uma oferta de paz, o ofertante não se limitou em sua escolha. Ele poderia usar um boi, uma ovelha, um cordeiro ou uma cabra, macho ou fêmea. Ordinariamente, um sacrifício tinha que ser “perfeito para ser aceito”. (Levítico 22:21; 3: 1-17) No entanto, quando uma oferta de paz era apresentada como uma oferta voluntária, ela não precisava ser perfeita. Ele poderia ser usado mesmo se tivesse “algo supérfluo ou faltando em suas partes”. Verso 23. Como no caso do holocausto, o ofertante deve colocar a mão sobre a cabeça do sacrifício e matá-lo à porta do sacrifício. tabernáculo. O sangue foi então aspergido sobre o altar ao redor do padre. (Levítico 3: 2) Depois disso, a gordura foi queimada: “É o alimento da oferta feita pelo fogo ao Senhor.” Versículo 11. “Toda a gordura é do Senhor, um estatuto perpétuo para as vossas gerações, em todas as vossas moradias,

As ofertas pacíficas eram de três tipos: agradecer ofertas, ofertas por voto e ofertas voluntárias. Destes agradeça oferecendo, ou oferta de louvor, aparece o mais proeminente. Foi oferecido em ocasiões de alegria, gratidão por algum exemplo específico de libertador por alguma bênção sinalizada. Foi oferecido de um coração cheio de louvor a Deus, correndo de alegria. As ofertas queimadas representavam dedicação e consagração por parte do ofertante. As ofertas de refeições reconheciam a dependência do ofertante em relação a Deus para todas as necessidades temporais e sua aceitação da responsabilidade da mordomia. Ofertas de paz eram uma oferta de louvor pelas misericórdias recebidas, uma oferta de gratidão pelas bênçãos desfrutadas; uma oferta voluntária de um coração transbordante. Não pediram favores como tais; eles atribuíram Louvor a Deus pelo que Ele fez,

Festa comunal

As ofertas no Antigo Testamento eram orações corporificadas. Eles combinaram fé e obras, oração e fé. Em sua totalidade, eles expressaram todo o relacionamento do homem com a necessidade de Deus. Ofertas de paz eram ofertas de comunhão. Considerando que as ofertas queimadas foram totalmente queimadas no altar e nenhuma parte foi comida; Considerando que as ofertas de refeição foram parcialmente queimadas no altar e parcialmente comidas; ofertas pacíficas eram divididas entre Deus, o sacerdote e o ofertante, a maior parte sendo comida. “Será um estatuto perpétuo para as vossas gerações, em todas as vossas habitações, de que não comis gordura nem sangue.” Versos 16, 17.

As ofertas pacíficas eram de três tipos: agradecer ofertas, ofertas por voto e ofertas voluntárias. Destes, a oferta de agradecimento, ou oferta de louvor, aparece como a mais proeminente. Foi oferecido em ocasiões de alegria, de gratidão por algum exemplo específico de libertação, ou por algum sinal de bênção concedido. Foi oferecido de um coração cheio de louvor a Deus, correndo de alegria.

As ofertas queimadas representavam dedicação e consagração por parte do ofertante. As ofertas de refeições reconheciam a dependência do ofertante em relação a Deus para todas as necessidades temporais e sua aceitação da responsabilidade da mordomia. Ofertas de paz eram uma oferta de louvor pelas misericórdias recebidas, uma oferta de gratidão pelas bênçãos desfrutadas; uma oferta voluntária de um coração transbordante. Não pediram favores como tais; eles atribuíram louvor a Deus pelo que Ele havia feito e magnificaram Seu nome por Sua bondade e misericórdia para com os filhos dos homens.

As ofertas no Antigo Testamento eram orações corporificadas. Eles combinaram fé e obras, oração e fé. Em sua totalidade, eles expressaram todo o relacionamento do homem com a necessidade de Deus. Ofertas de paz eram ofertas de comunhão. Considerando que as ofertas queimadas foram totalmente queimadas no altar e nenhuma parte foi comida; Considerando que as ofertas de refeição foram parcialmente queimadas no altar e parcialmente comidas; ofertas pacíficas eram divididas entre Deus, o sacerdote e o ofertante, a maior parte sendo dada ao ofertante e sua família. A parte de Deus foi queimada no altar. (Levítico 3: 14-17) O padre recebeu o peito ondulado e o ombro erguido. (Levítico 7:33, 34) O restante pertencia ao ofertante, que podia convidar qualquer pessoa limpa para participar com ele. Deve ser comido no mesmo dia ou, em alguns casos, no segundo dia, mas não depois. (Versículos 16-21)

Bolos sem fermento misturados com óleo, também bolachas e bolos fritos, faziam parte das oferendas. Para isso foi adicionado pão levedado. Uma parte foi apresentada ao Senhor como uma oferenda e depois entregue ao sacerdote como sua porção. (Versículos 11 a 13)

Toda a cerimônia constituía uma espécie de serviço de comunhão no qual sacerdotes e pessoas participavam com o Senhor à sua mesa - uma ocasião alegre, onde todos se uniam em agradecer a Deus e louvá-lo por sua misericórdia.

O uso do fermento na oferta de paz é significativo. Comumente o fermento não era permitido em nenhum sacrifício. Em um outro exemplo, onde foi utilizado, o dos primeiros frutos na oferta de carne (Levítico 2:12), não foi permitido entrar no altar. No presente caso, foi apresentado ao Senhor como uma oferenda e depois entregue ao sacerdote que aspergiu o sangue. (Levítico 7:13, 14) No caso do primeiro fruto da oferta de carne, o fermento representava o homem trazendo sua oferta a Deus pela primeira vez. Ele deve trazer como ele tinha. Mas ele foi fazer isso apenas uma vez. Na oferta pacífica, tanto o pão sem fermento como o pão levedado são ordenados. Que não seja, pois esta é uma refeição comum da qual Deus, sacerdote e ofertante participam, que o pão sem fermento representa Aquele que está sem pecado e que é a nossa paz; e que o fermento representa a imperfeição do homem que é todavia aceito por Deus? Referência a isso é feita em Amós 4: 5.

“A carne do sacrifício de suas ofertas pacíficas por ação de graças será comida no mesmo dia.” Levítico 7:15. Embora isso fosse em parte uma medida sanitária, essa não era a única razão; porque nos casos em que a oferta de paz era um voto ou uma oferta voluntária, também podia ser comido no segundo dia. (Verso 16) Era manifestamente impossível para o homem consumir sua oferta em um dia, se fosse um boi ou um bode ou um cordeiro. Ele, portanto, foi autorizado e ordenado a pedir a outros que compartilhassem a refeição. “Não comerás dentro das tuas portas. . . qualquer de teus votos que fizeste, nem ofertas voluntárias, nem oferta alçada da tua mão. Mas tu deverás levá-los diante do Senhor teu Deus no lugar que o Senhor teu Deus escolher, tu e teu filho, e tua filha, e teu servo, tua serva e o levita que está dentro das tuas portas. E te regozijarás perante o Senhor teu Deus em tudo o que puseres as tuas mãos. Tem cuidado de não abandonar o levita enquanto viver na terra. ”Deuteronômio 12: 17-19.

Esta foi uma característica distintiva da oferta de paz. Deve ser comido no mesmo dia e deve ser compartilhado; deve ser comido "diante do Senhor", e os participantes devem se alegrar. Foi uma refeição alegre e comunitária e, a esse respeito, diferiu de outras ofertas.

Votos

Às vezes as ofertas pacíficas eram ofertas de votos. Por uma razão ou outra, talvez por causa de alguma bênção especial, esperada ou desejada, um ofertante faria um voto ao Senhor. Ele pode se comprometer com o Senhor, sua esposa ou filhos, ou gado, casa ou terras. (Levítico 27) Deste modo, Samuel foi jurado ao. Senhor (1 Samuel 1:11) No caso de pessoas, um voto poderia ser ordinariamente redimido, ou comprado de volta, a uma valorização fixa, ajustada pelos sacerdotes no caso dos muito pobres. (Levítico 27: 1-8) Se o voto dissesse respeito a uma das bestas adequadas para o sacrifício, ela não poderia ser redimida. Se um homem tentasse trocá-lo por outro animal, ambos os animais deveriam ser oferecidos. (Versículos 9, 10) No caso de uma besta impura, o sacerdote deveria avaliá-la. Poderia ser resgatado adicionando um quinto ao valor estimado. (Versículos 11 a 13)

Era um princípio claramente declarado que nada que já pertencesse a Deus poderia ser jurado. Sob esta regra eram os primogênitos (versos 26 e 27); qualquer coisa devotada a Deus (versos 28 e 29); o dízimo (versículos 30-34).

Há alguns que não consideram votos com favor. Contudo, Deus providenciou os votos. Embora seja melhor não prometer do que prometer e não pagar (Eclesiastes 5: 5), às vezes os votos estão em ordem e são aceitáveis ​​a Deus. "Se te abstiveres de fazer voto, não haverá pecado em ti" (Deuteronômio 23:22); mas se um homem fizer voto, ele “não deixará de pagá-lo” (versículo 21). A realização de um voto é opcional. Um homem pode ou não fazer um voto, mas se ele fizer um “ele não quebrará a sua palavra, ele fará conforme a tudo o que sai da sua boca”. Números 30: 2.

O ponto principal é este: que um homem deve guardar aquilo que prometeu. Ele não deve “quebrar a sua palavra”. Ele não deve nem ser “frouxo” em cumprir seu voto. Quando chegar a hora certa, ele deve pagar. Deus espera isso.

Deus quer que o Seu povo seja honesto e confiável. Ele quer que eles cumpram suas promessas. Nenhum homem está cumprindo seus deveres cristãos se ele não for confiável em negócios. Nenhum homem pode quebrar sua palavra e reter o favor de Deus. Nenhum homem pode “esquecer” de pagar suas contas, ou mesmo ser negligente com relação a eles, e ser considerado “honesto aos olhos do céu”. Um cristão, acima de tudo, deve ser um homem de palavra. Ele não deve apenas estar em pé; ele deve estar pronto.

Esta é uma época em que muitos consideram sua palavra como de pouco peso e têm pequeno respeito por suas promessas. Embora isso possa ser esperado do mundo, não pode haver desculpa para quem levar o nome de Cristo para repudiar sua promessa. No entanto, quantos compromissos não pagos existem, quantos votos quebrados! O voto de casamento está quebrado; o voto batismal é quebrado; o voto de ordenação está quebrado. Os convênios são repudiados, acordos violados, promessas esquecidas. Quebra de fé é comum, desconsideração da responsabilidade quase universal. O próprio Cristo se perguntou se deveria encontrar fé na terra quando retornou no último dia. (Lucas 18: 8)

No meio de toda essa confusão deve haver, haverá, um povo de quem Deus pode depender, em cuja boca não se encontra engano, que seja fiel à sua palavra. A pergunta feita no Salmos 15 também é respondida ali. A pergunta: “Senhor, quem permanecerá no teu tabernáculo? quem habitará em Teu santo monte? ”A resposta:“ Aquele que anda retamente, e faz justiça, e fala a verdade em seu coração. Aquele que não recua com a sua língua, nem faz mal ao seu próximo, nem faz opróbrio contra o seu próximo. Aos olhos de quem uma pessoa vil é condenada. Mas ele honra os que temem o Senhor. Aquele que jura para sua própria dor e não muda. Aquele que não coloca seu dinheiro em usura, nem recebe recompensa contra os inocentes. Aquele que faz estas coisas nunca será movido ”.

Uma das condições aqui mencionadas de permanecer no tabernáculo de Deus é a de jurar “para sua própria dor” e não mudar. Um homem pode concordar em vender ou comprar alguma propriedade, e após o acordo ser feito, receber uma oferta mais favorável. Ele vai ficar ao lado de sua barganha, mesmo em uma perda para si mesmo? Ele vai se ele é um cristão.

A consideração pela palavra é uma necessidade urgente. As nações precisam disso, para que seus acordos não fiquem sem sentido. A empresa precisa disso, para que não haja confusão e resultado de desastre. Os indivíduos precisam disso, para que a fé não pereça na terra. Acima de tudo, os cristãos precisam disso, para que os homens não percam sua visão e esperança, e o desespero se agarre à humanidade.

Esta é a hora e oportunidade suprema da igreja. O mundo é devido a uma demonstração de que há um povo que permanece fiel em uma geração sem fé; que têm respeito por sua própria palavra, bem como por Deus; que são fiéis à fé uma vez entregue aos santos. A manifestação dos filhos de Deus está atrasada. (Romanos 8:19) Essa revelação dos filhos de Deus não é apenas “a mais séria expectativa da criatura”, mas “toda a criação geme e sofre dores juntas” por ela. 22. E esta manifestação revelará um povo que tem o selo da aprovação de Deus. Eles guardam os mandamentos. Eles têm a fé de Jesus. Sua palavra é sim, sim, e não, não. Eles são sem culpa, mesmo antes do trono de Deus. (Apocalipse 14:12, 5; Tiago 5:12)

Na paz com deus

Como foi dito anteriormente, a oferta de paz era uma oferta de comunhão na qual Deus, o sacerdote e a refeição comunal participavam. Foi dentro do recinto do templo, no qual alegria e felicidade prevaleceram, e sacerdotes e pessoas conversaram. Não foi necessariamente uma ocasião em que a paz foi efetuada; foi antes uma festa de regozijo que a paz existisse. Foi geralmente precedido por uma oferta pelo pecado e uma oferta queimada. A expiação havia sido feita, o sangue havia sido aspergido, o perdão havia sido estendido, e a Justificação havia sido assegurada. Em comemoração a isso, o ofertante convidou seus parentes e seus servos, bem como os levitas, para brincar com ele. “Não comerás dentro das tuas portas”, era a ordem, mas apenas “no lugar que o Senhor teu Deus escolher”. Deuteronômio 12:17, 18.

“Sendo justificados pela fé, temos paz com Deus através do nosso Senhor Jesus Cristo.” Romanos 5: 1. “Ele é a nossa paz”. Efésios 2:14. Israel de antigamente foi convidado a celebrar o fato de que eles tinham paz com Deus, que seus pecados foram perdoados e que eles foram restaurados para favorecer com Deus. Esta celebração incluía filho e filha, servo e serva, bem como levita. Todos sentaram-se à mesa do Senhor e se alegraram juntos “na esperança e na glória de Deus”. Da mesma forma devemos nos alegrar em Deus através de nosso Senhor Jesus Cristo, pelo qual agora recebemos a expiação. ”Romanos 5 : 2,11.

Poucos apreciam ou se alegram na paz de Deus como deveriam. Embora a razão possa ser a falta de apreciação do que Deus fez por eles, muitas são as almas queridas que não entendem que é a sua

direito e privilégio de ser feliz em sua religião. Eles vivem na sombra da cruz e não na luz do sol. Eles sentem que há algo errado na felicidade que sorrir é inadequado, e que risadas inocentes são um sacrilégio. Eles carregam o fardo do mundo sobre seus ombros e sentem que gastar algum tempo em recreação não é apenas uma perda de tempo, mas definitivamente irreligiosa. Eles são bons cristãos, mas não são felizes. Se estivessem vivendo nos dias de Cristo e seguindo a Ele, questionariam a conveniência de ir à festa do casamento em Caná, na Galiléia. Eles podem até ficar perplexos quanto a comer e beber de Cristo com os pecadores. Com os discípulos de João eles estariam jejuando e orando. (Lucas 5: 29-35)

Isto é escrito com plena apreciação dos tempos em que vivemos. Se houve um período em que a seriedade e a sobriedade deveriam caracterizar o nosso trabalho, agora é o momento. Em vista da crise que se aproxima, que tipo de homens devemos ser, em toda santa conversação e piedade! Toda frivolidade e leveza devem ser postas de lado, e a solenidade deve tomar posse de todo elemento terreno. Grandes e importantes eventos estão se acelerando rapidamente. Não é hora para insignificância e mesquinharia. O rei está na porta!

Regozijando-se no Senhor

Essas condições, no entanto, não devem nos levar a perder de vista o fato de que somos filhos do Rei, que nossos pecados são perdoados e que temos o direito de ser felizes e nos regozijarmos. A obra de Deus deve estar terminada e devemos participar nela. Mas afinal, é Deus quem deve terminar o trabalho. Muitos falam e agem como se terminassem o trabalho, como se dependesse deles. Eles parecem pensar que eles depositam a responsabilidade do trabalho sobre eles, e que embora Deus possa ajudar, é realmente para eles fazerem o trabalho. Mesmo em suas orações, muitas vezes lembram a Deus o que Ele deveria fazer, com medo de que ele possa entender algumas coisas que estão em seus corações. Eles são bons, ansiosos para fazer o que é certo o tempo todo, mas não aprenderam a lançar suas cargas no Senhor. Eles estão fazendo o melhor para carregar a carga e, embora gemendo sob o fardo, estão determinados a não desistir. Eles lutam e estão fazendo muito bem. Eles são trabalhadores valiosos e o Senhor os ama muito.

Mas eles estão, faltando em alguns fundamentos importantes, e não estão recebendo muita alegria de seu cristianismo. Eles são Marthas que trabalham e trabalham, mas deixam de fora a única coisa necessária. Eles olham com desaprovação para as Marias, que não estão fazendo o que fazem, e fazem sua queixa ao Senhor. Eles não entendem como Cristo pode tomar a parte de Maria, quando em sua mente ela deveria ser repreendida. Eles trabalham, mas não estão felizes com isso. Eles acham que os outros não estão fazendo sua parte. (Lucas 10: 38-42)

É a mesma lição que é enfatizada na história do filho pródigo. O filho mais velho disse que nunca fez nada de errado. Ele sempre trabalhou duro e não perdeu tempo em banquetes e festas. E agora, quando o filho mais novo chegava em casa depois de passar sua parte em uma vida tumultuada, ele estava com raiva e não iria para a festa em honra do irmão que retornara. Não adiantou que o pai saísse e o chamasse. Ele repreendeu o pai, repreendendo-o de que “assim que este teu filho chegasse, que devorou ​​a vida com prostitutas, mataste para ele o bezerro cevado”. Lucas 15:30. Por gentileza, o pai respondeu: “Foi um encontro para nos alegrarmos e nos alegrarmos: pois este teu irmão estava morto e reviveu; e foi perdido e é encontrado. ”Versículo 32. Não nos é dito o fim da história. O filho entrou? O amor do pai prevaleceu? Nós não sabemos. A história não diz. A última foto que temos é do filho mais velho estando fora de casa, zangado. É de se esperar que ele se arrependa e entre, mas não sabemos.

Os cristãos devem ser pessoas felizes, mesmo no meio dos eventos mais solenes. E por que eles não deveriam ser? Seus pecados são perdoados e eles têm paz com Deus. Eles são justificados, santificados, salvos. Deus colocou uma nova música em suas bocas. Eles são filhos do Altíssimo. Eles estão andando com Deus e são felizes em Seu amor.

Poucos cristãos têm a paz de Deus em seus corações como deveriam. Eles esquecem sua herança. Disse Cristo: “Deixo-te a paz, a minha paz te dou; não como o mundo dá, eu te dou. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize. ”João 14:27.

Ainda os corações de muitos são incomodados. Eles estão com medo. Eles são preocupantes. Alguns queridos estão fora do rebanho, e eles estão tentando “orar por ele”. Dia e noite eles labutam e oram. Eles não deixam pedra sobre pedra em seus esforços para abranger sua salvação. Se alguém pode ser salvo pelas obras de outra pessoa, está determinado que isso será feito. E eles não deixam Deus fora do acerto de contas. Eles oram para

Ele. Eles O convidam. Eles rezam como se Deus precisasse de estímulos. E finalmente o querido se volta para Deus como eles são felizes! Agora eles podem descansar. Agora seu trabalho está feito, sua tarefa cumprida.

Será que alguma vez ocorre a tais almas que Deus esteja tão interessado na conversão do querido como elas são, sim, mais do que possivelmente poderiam ser? Alguma vez lhes ocorre que, muito antes de começarem a rezar e a trabalhar, Deus planejou e trabalhou pela salvação do ente querido? que Ele está fazendo e fez tudo o que possivelmente pode ser feito? Que, em vez de assumirem a obra de Deus e implorarem a Ele que os ajudasse, seria melhor se reconhecessem a obra como obra de Deus e cooperassem com Ele. No momento em que tal realização chega à alma, a paz vem. Não nos fará trabalhar menos ou orar menos, mas mudará a ênfase. Nós começamos a orar com fé. Se acreditamos que Deus realmente está trabalhando, se acreditamos que Ele está interessado na salvação dos homens, devemos orar mais do que nunca, mas deixaremos a responsabilidade com Deus.

Muito do nosso trabalho e muitas das nossas orações estão fundamentadas na incredulidade. Com Habacuque sentimos que Deus não está fazendo a Sua parte (Habacuque 1: 2) Ele precisa ser lembrado. Há coisas que devem ser chamadas à Sua atenção, e nós procedemos para trazê-las diante dEle. Em vez de ter fé em Deus, em Sua sabedoria, Seu poder, assumimos o fardo sobre nós mesmos, dizendo, com efeito, que não podemos confiar em Deus para fazer o que Ele prometeu fazer. Mas quando a fé vem, quando a luz maravilhosa nos revela que Deus ainda está governando nos assuntos dos homens; que Ele está fazendo tudo o que pode ser feito para salvar a humanidade. E que nossa principal preocupação deve ser conhecer a Sua vontade - quando essa percepção nos chega, segurança, descanso e paz serão nossos em abundância. Não haverá menos obras, mas serão obras de fé. Não haverá menos orações, mas eles serão orações de fé. O Dia de Ação de Graças ascenderá diariamente pelo privilégio de trabalhar junto com Deus. A paz encherá o coração e a alma. Ansiedade e preocupação não serão mais. Paz, paz doce, quietude, descanso, felicidade e alegria serão a porção diária. A vida e a perspectiva da vida são inteiramente alteradas. Nós aprendemos a sentar aos pés de Jesus. Enquanto Marta ainda está trabalhando e reclamando, Maria está ouvindo as palavras da vida. Ela achou a única coisa necessária. Ela entende a palavra de Cristo: “Esta é a obra de Deus em que você crê.” João 6:29. E ela acredita e descansa. A vida e a perspectiva da vida são inteiramente alteradas. Nós aprendemos a sentar aos pés de Jesus. Enquanto Marta ainda está trabalhando e reclamando, Maria está ouvindo as palavras da vida. Ela achou a única coisa necessária. Ela entende a palavra de Cristo: “Esta é a obra de Deus em que você crê.” João 6:29. E ela acredita e descansa. A vida e a perspectiva da vida são inteiramente alteradas. Nós aprendemos a sentar aos pés de Jesus. Enquanto Marta ainda está trabalhando e reclamando, Maria está ouvindo as palavras da vida. Ela achou a única coisa necessária. Ela entende a palavra de Cristo: “Esta é a obra de Deus em que você crê.” João 6:29. E ela acredita e descansa.

Não há felicidade maior do que ter a paz de Deus no coração. É o legado que Cristo deixou. "A paz eu deixo com você", diz ele. Palavras maravilhosas. “A minha paz te dou”. João 14:27. Sua paz é aquela segurança quieta que vem da confiança em Deus. Na época, Cristo falou estas palavras Ele estava se aproximando da cruz. Gólgota estava diante dele. Mas Ele não vacilou. Seu coração estava cheio de paz e segurança. Ele conhecia a quem ele confiava. E Ele descansou no conhecimento de que Deus conhecia o caminho. Ele pode não ser capaz de “ver através dos portais do sepulcro”. Esperança pode “não apresentar a Ele Sua vinda da sepultura, um conquistador, ou falar-lhe da aceitação do sacrifício pelo Pai”. Mas “pela fé, Hp descansou. Nele a quem tinha sido sempre a alegria de obedecer. . . . Pela fé, Cristo foi vencedor. ”- O Desejado de Todas as Nações, pág. 753,

Aquela mesma paz Ele nos lega. Significa unidade com o Pai, comunhão e comunhão. Ele enlata alegria, descanso e contentamento. Isso significa fé, sim esperança. Nesta paz não há medo, preocupação ou ansiedade. Quem possui possui aquilo que passa pelo entendimento. Ele tem uma fonte de força que não depende das circunstâncias. Ele está em sintonia com Deus.

 

O Santuário-Serviço-por-ML-Andreasen.pdf




Norway

FACEBOOK

Participe de nossa rede facebook.com/osreformadoresdasaude

Novidades, e respostas das perguntas de nossos colaboradores

Comments   2

BUSCADAVERDADE

Visite o nosso canal youtube.com/buscadaverdade e se INSCREVA agora mesmo! Lá temos uma diversidade de temas interessantes sobre: Saúde, Receitas Saudáveis, Benefícios dos Alimentos, Benefícios das Vitaminas e Sais Minerais... Dê uma olhadinha, você vai gostar! E não se esqueça, dê o seu like e se INSCREVA! Clique abaixo e vá direto ao canal!


Saiba Mais

  • Image Nutrição
    Vegetarianismo e a Vitamina B12
  • Image Receita
    Como preparar a Proteína Vegetal Texturizada
  • Image Arqueologia
    Livro de Enoque é um livro profético?
  • Image Profecia
    O que ocorrerá no Armagedom?

Tags

tag