O SÁBADO NO ANTIGO TESTAMENTO

Código VC5-E440-P

VIEW:160 DATA:2020-03-20

A questão do sábado hebraico ainda é um dos problemas mais complicados do estudo do Antigo Testamento, apesar da declaração de Langdon de que "a origem e o significado do sábado hebraico são filológica e historicamente claros" (Salmos Sumérios e Babilônios, p. XXIII). 

Foi Zimmern, em 1904, no "Zeitschrift der Deutschen Morgenlandischen Gesellschaft", quem primeiro sugeriu, na imprensa, que o sábado era originalmente o dia da lua cheia. Mein-hold seguiu-o em 1905 com um tratamento mais elaborado da tese, Sabbat und Woche im AT, e novamente em 1909, no "Zeitschrift fur Alttestamentliche Wissenschaft". A hipótese foi aceita por Beer (Sabbath: Der Mishna-tract Sabbat) e por Marti (Religião Geschichte der Israelitischen, etc).

De fato as hipóteses são definidas sem levar em conta a explicação dos conceitos singulares do sábado, entre eles a característica de sete dias, e forçando um ciclo de 29 a 30 dias para um sistema de 7 quando o sistema babilônico vinculava 15 dias.

Sábado na Babilônia

A origem do sábado certamente não se encontra com os próprios hebreus. Em última análise, é "ser rastreado aos antepassados ​​nômades dos hebreus e cananeus, que prestaram homenagem principal à lua, cuja luz benigna os guiou em suas viagens noturnas pelas planícies do norte da Arábia " (Kent, Leis de Israel e Precedentes Jurídicos, p. 257). O sábado provavelmente remonta à antiguidade semítica mais remota e, como tabu, sacrifício,  culto a ancestrais e coisas semelhantes, evidentemente era uma instituição compartilhada por todos. Mas ainda poderia ter vindo de algo ainda muito mais remoto.

O nome, sábado, aparece pela primeira vez na Babilônia e, como instituição, pode, de fato, ser rastreado até os primeiros habitantes  pré-semitas  daquela terra, os sumérios. Em um tablet bilíngüe,

K. 6012 + K. 10684, contendo uma lista dos dias do mês, a equação  U-XV-KAMI =  sa-bat-ti  (linha 13) aparece, ou seja, o 15º dia do mês era conhecido na Babilônia como o sabattu e, além disso, é o único do mês que é assim chamado (ver Pinches, PSBA, 1904, pp. 51 e segs.). Agora o mês babilônico era um mês lunar de aproximadamente 30 dias e o 15º dia, ou o meio do mês, seria o dia da lua cheia. Nós inferiríamos, então, que o sabattu era idêntico ao dia da lua cheia e com ela sozinha. Notadamente os meses eram contados pelos ciclos lunares, os arqueólogos supõem a semena como vindo dos ciclos lunares, mesmo sabendo que a semana não determina corretamente o ciclo lunar. Pois um ciclo lunar demora de 29 a 30 dias. O que definiria que semanas de 15 dias seriam mais lógicos do que de 7 dias. Assim os sistemas babilônicos determinam regras sagradas na lua cheia ou nova.

Isto é sugerido por todas as referências ao sábado na literatura babilônica que são atualmente conhecidas. Em outro texto bilíngüe, CT XII 6, 24, temos a equação U (sumério para "dia") =  sa-bat-tu,  ou seja  , o sábado foi para os babilônios "o dia por excelência, um dos grandes dias festivos de Na história da criação, Tablet V 18, os signos, XXXXX são, evidentemente, com Pinches e Zimmern, para serem lidos  sa-bat-tu, em vez de [um] u  XIV-tu como antigamente O determinante usual após numerais neste tablet, como em outros lugares, não é kam tu (cf. História da Criação, Tablet V 17,  VII-kam; Gilgames Epic, Tablet X, col. 111 49, umu  XV-kam;  etc.). Com esta linha de restauração 18 se leria: "Na [Sa] bbath tu (a lua) será igual (em ambas) metades". Da mesma forma na Epopeia de Gilgames, Tablet X col. O dia 15 ou o sábado é evidentemente o dia da lua cheia. De fato este tipo de análise pode gerir a idéia de que a semana seja um conceito histórico antigo, e não uma mera visão da lua. Gerando a idéia de que a semana veio antes da ligação com os sistemas lunares.

O sabattu não foi um dia de descanso, no qual o trabalho foi proibido, pois muitas tabuinhas de contrato são datadas naquele dia (Kuchler, Die Christliche Welt, 1904, p. 296; Johns, Expositor, novembro de 1906; Wilson, Princeton Theological Review, 1903, p. 246). No CT XVIII 23 é chamado um nuh libbi, ou seja, um dia para a pacificação da ira da divindade, um dia apropriado para a penitência. Vemos que a penitência desenvolve o conceito de dia sagrado, vinculado com o conceito do Gilgamesh, e a criação temos a idéia de uma conceito muito remoto, que pode ter aparecedo de histórias contadas anterior a Babilônia. Que definiriam o sábado como um dia sagrado, dedicado a ações ligadas a divindade.

O sábado costumava ser, e por muitos eruditos ainda é, identificado com os "dias favoráveis ​​e desfavoráveis" da Babilônia, que para o mês intercalar de Elul caíram nos dias 7, 14, 19, 21 e 28, (IV R. 32f.), Mas não há absolutamente nenhuma evidência de que estes tenham alguma conexão com o sabattu. De fato, como já observamos, ainda não há evidências em nenhum lugar de que o sabattu tenha sido aplicado a qualquer outro dia que não o dia 15, e atribuir esse termo a outros dias, como fazem Jastrow1 e muitos estudiosos, é a mais pura suposição e se baseia em uma ideia preconcebida sobre o que era o sábado. Também não há qualquer evidência de que os termos sabattu e nubattu tenham alguma conexão entre si.

Com os babilônios, o sábado era manifestamente um festival da lua cheia e a etimologia da palavra parecia confirmar isso. A raiz sabatu em V R. 28 ef equaciona-se com gamaru, "completar, cumprir, pôr fim", ou intransitivamente "estar completa". Sabattu, então, poderia significar o dia em que a lua estava completa ou cheia. De fato como os ciclos lunares são de 29 a 30 dias, 15 dias seria o mais próximo da separação dos ciclos lunares, e não 7 dias. Nos textos bíblicos define que Abraão tenha vindo de Ur dos caudeus, e adquirido as informações antigas sobre tais relados, ligados tanto a criação como ao dilúvio. Existe portanto uma grande possibilidade de existindo Abraão ele tenha obtido informações muito mais antigas do que podemos obter agora.

Ainda assim utilizar que completo ou repleto seja relativo a lua, e não a etmologia da palavra, geraria um conceito puramente imaginativo. Pois a palavra cessar ou completar, não esta ligada a lua, mas pode estar ligada ao termo sete (sábado (שבת) e sete (שבע) e satisfação (שבע)H7646). Assim o patriarca dos semitas Sete (שת), advem da mesma raiz do sábado. Veja que Sete é o terceiro filho de Adão (1Ch 1:1) e não o sétimo, e sua etmologia define como algo feito. Seria portanto irracional dizer que Sete teria sido feito pela lua, ou seja o fundamento do sábado esta na conclusão, ou satisfação da conclusão. De fato o fundamento esta no termo do povo Semita, que é anterior aos babilônicos. De fato a questão da lua ao sistema do sábado é uma conjectura que tenta ignorar uma possibilidade anterior, ligada a criação.

meek-sabbath-jbl.pdf




Norway

FACEBOOK

Participe de nossa rede facebook.com/osreformadoresdasaude

Novidades, e respostas das perguntas de nossos colaboradores

Comments   2

BUSCADAVERDADE

Visite o nosso canal youtube.com/buscadaverdade e se INSCREVA agora mesmo! Lá temos uma diversidade de temas interessantes sobre: Saúde, Receitas Saudáveis, Benefícios dos Alimentos, Benefícios das Vitaminas e Sais Minerais... Dê uma olhadinha, você vai gostar! E não se esqueça, dê o seu like e se INSCREVA! Clique abaixo e vá direto ao canal!


Saiba Mais

  • Image Nutrição
    Vegetarianismo e a Vitamina B12
  • Image Receita
    Como preparar a Proteína Vegetal Texturizada
  • Image Arqueologia
    Livro de Enoque é um livro profético?
  • Image Profecia
    O que ocorrerá no Armagedom?

Tags

tag